São Bento do Sapucaí


First slide


São Bento do Sapucaí é destaque mundial por abrigar o Monumento Natural Estadual, o Complexo Pedra do Baú, que tanto impressiona qualquer visitante pelo formato único, que o identifica. Localizada na Serra da Mantiqueira, a cidade possui natureza exuberante, composta de matas fechadas, formações rochosas e muitas cachoeiras. Com nome de santo, já revela seu povo religioso e também bastante místico. O folclore é preservado pelas danças e canções regionais. Mas também houve herança do folclore nordestino, com a construção dos bonecos gigantes que formaram a Família do Zé Pereira, símbolo da festa de carnaval da cidade. A cidade inspira arte, por isso atrai artistas de todas as artes e também produz pessoas de grande talento como o escultor Ditinho Joana, conhecido internacionalmente por suas belas esculturas em madeira. E por fim, atrai e produz atletas dos esportes de aventura, como voo livre, escalada, moutainbike e corrida de montanha.

 

Dados Gerais de São Bento do Sapucaí

 

Localização: São Bento do Sapucaí está localizado a leste do Estado de São Paulo, nos contrafortes da Serra da Mantiqueira, Região Vale do Paraíba, mais especificamente no Alto Sapucaí.

População: 10.468 (censo 2010) estimada em 2018: 10.862

Altitude máxima: Monumento Natural Estadual Pedra do Baú – 1.950m

Altitude Média: 1.400m

Área: 279 km(quadrados), dividindo em perímetro urbano: 91.405 km2 e rural 187,595 km2

Clima: Temperado – ameno e saudável

Economia: o solo fértil propicia agricultura diversificada, ao lado da pecuária. Também produz hortifrutigranjeiros.

Hidrografia: Rio Sapucaí Mirim, Ribeirão do Paiol, Ribeirão do Baú e Ribeirão do Serrano.

Limites: a leste: Campos do Jordão e Santo Antonio do Pinhal; ao sul: Santo Antonio do Pinhal e Sapucaí Mirim; ao Norte: Paraisópolis e Luminosa; a Oeste: Gonçalves; a Noroeste: Brazópolis e Piranguçu.

Localização estadual: Leste do Estado de São Paulo nos contrafortes da Mantiqueira compondo o Vale do Paraíba.

Localização regional: Cone Leste Paulista

Relevo: Montanhoso

Temperatura: de 2 a 33 graus

Tipografia: Climática – é Estância Climática

Topografia: Acidentada

 

Distâncias das principais cidades da região:

 

São Paulo – 185 km

São José dos Campos (S. Antonio do Pinhal) – 88 km

São José dos Campos (Monteiro Lobato) – 80 km

Campos do Jordão (Pedra do Baú) 35 km

Campos do Jordão (Estrada Velha) – 44 km

Campos do Jordão (Zé da Rosa) – 40 km

Campos do Jordão ( S. Antonio do Pinhal) – 50 km

Taubaté – 70 km

Tremembé – 63 km

Paraisópolis – 17 km

Itajubá – 75 km

Caçapava – 75 km

Pindamonhangaba – 70 km

Santo Antonio do Pinhal – 36 km

 

História

 

A história de São Bento do Sapucaí começa com os sertanistas Bandeirantes, que adentravam no interior do Brasil em busca de riquezas minerais, no caso, o outro de Minas Gerais. E alguns foram fixando-se nesta região, para estabelecer fazenda de gado, um desses fazendeiros foi José Pereira Alves, que fundou a cidade. Ele era do Rio de Janeiro, mas morava em Pindamonhangaba. Adquiriu terras da região do Sapucaí-Mirim e se instalou com os familiares e escravos.

Quando já tinham cerca de 270 pessoas na região, José Pereira Alves doou terras para construção de uma capela e trouxe o padre de Pindamonhangaba Júlio Velho Columbreiro, que benzeu o local onde se acha hoje a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, colocando ali a cruz da Redenção e uma bandeira com os dizeres: “Nossa Senhora Mãe dos Homens comovei os maus corações”. Mas o vigário de Pouso Alegre, Padre José Bento de Melo, arrancou a cruz e a bandeira, levando preso o padre Columbreiro. Pereira Alves não se deu por vencido e mandou que se iniciasse a construção da capela, mas teve que sustar o trabalho para manter a paz e o sossego com os conflitantes mineiros.

Serenados os ânimos, ele e sua esposa, Dona Ignez Leite de Toledo, doaram uma grande extensão de terras para ser erguida uma capela em louvor a São Bento, cuja imagem achava-se na capela da Guarda Velha, um pouco distante do povoado.

No dia 03 de fevereiro de 1832, o padre Manuel Alves Coelho, de Pindamonhangaba, chegou onde está São Bento do Sapucaí e fez o primeiro batizado em casa particular, enquanto se construía a igreja de São Bento. Depois a matriz só veio a ser construída por volta de 1853.

Durante muito tempo teve-se como data de fundação o dia 3 de fevereiro de 1828. Posteriormente, adotou-se a data de 16 de agosto, da elevação a categoria de Freguesia, no ano de 1832. Depois passou para Vila em 16 de abril de 1858 e cidade em 30 de março de 1876.

Cultura

 

A festa do padroeiro é celebrada no dia 11 de julho. E o aniversário é comemorado dia 16 de agosto.

O povo religioso trouxe muitas festas religiosas para a cidade, como a festa de Nossa Senhora dos Remédios e São Benedito, que foram as primeiras. Depois vieram festa de Santo Antônio, Santo Expedito e as atividades intensas da Semana Santa.

O povo também é bastante místico, mantendo crenças costumes e lendas que formam o folclore da região. As danças, cantigas e artesanato, destacando-se a Catira, a Dança de São Gonçalo, os cantos de mutirão e a Encomendação das Almas são fortes na cidade.

Das lendas são as mais comuns: as do Saci, Mula sem cabeça, Assombração, Corpo Seco e as da Pedra do Baú.

O Carnaval é marca do Folclore na cidade. Conta-se que usavam carros de boi enfeitados para o carnaval. Inspirados no folclore nordestino, a família Cortêz, João e Antônio Cortez, criaram os bonecões gigantes que receberam o nome de Família Pereira, que até hoje, todos os anos, fazem parte da programação do carnaval na cidade, sendo o bloco que sai às ruas, em pré-carnaval, com um mês de antecedência.

 

Filhos ilustres

 

Alguns saudosos sambentistas tiveram destaque nacionalmente e são chamados de filhos ilustres. São eles: o político, escritor, jornalista e teólogo Plínio Salgado; o jurista, advogado, político, filósofo, professor universitário e poeta brasileiro Miguel Reale, Abade Pedrosa, Desembargador Affonso José de Carvalho e a escritora Eugênia Sereno.

 

No Rancho Fundo

 

O compositor brasileiro Lamartine Babo se inspirou para compor a canção “No Rancho Fundo”, quando tratava a saúde na cidade.

 

Monumento Natural Estadual – Complexo da Pedra do Baú

 

O MONA Monumento Natural da Pedra do Baú tem área de 3.154 hectares e é administrado pela Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo (FF), vinculada à Secretaria do Meio Ambiente. O objetivo é proteger a biodiversidade, os recursos hídricos, a paisagem local, por seu significado como marco cultural e histórico, sua relevância geológica e beleza cênica, bem como organizar a visitação turística e o uso esportivo do complexo rochoso visando garantir a segurança do ambiente natural e dos usuários.

O Monumento está situado em duas Áreas de Proteção Ambiental (APAs): a da Serra da Mantiqueira, federal, e a de São Bento do Sapucaí, estadual. Localizada a cerca de 12 quilômetros da sede do município de São Bento do Sapucaí, a Pedra do Baú, chamada pelos primeiros habitantes de Embahú (“ponto de vigia” em tupi-guarani), recebeu ainda o nome de Canastra (baú grande de guardar pertences), nome dado pelos tropeiros e caboclos da região . Este marco na paisagem natural pode ser avistado de diversos municípios da região. Protegida por matas nativas, a massa granítica mede 340 metros de altura, 540 metros de comprimento com larguras variáveis, atinge 1950 metros de altitude.

A pedra do Baú foi escalada pela primeira vez pelos sambentistas e irmãos Antônio e João Cortez. Com equipamentos rudimentares para a escalada, os aventureiros atingiram o topo em 12 de agosto de 1940. Desde então, o acesso ao cume foi facilitado. Com a instalação das duas escadarias de grampos tornou-se desnecessário conhecer técnicas de escalada para atingir o cume, onde ainda se vê os vestígios de um dos primeiros abrigos de montanha do Brasil, construído na década de 50 pelos irmãos Cortez, com a ajuda do empresário Luiz Dummont Villares e moradores da região.

Atualmente, o acesso ao Complexo do Baú, conjunto de montanhas rochosas constituídas pelo Bauzinho, Pedra do Baú e Ana Chata é acessível desde as cidades de São Bento do Sapucaí e Campos do Jordão por estrada asfaltada que interliga os dois municípios. O acesso ao estacionamento localizado junto ao Bauzinho, de onde partem algumas trilhas de acesso às montanhas do Complexo é realizado por estrada não pavimentada com 6 km de extensão. A Pedra do Baú constitui um dos locais mais procurados para passeio entre os turistas frequentadores de ambos os municípios.

Para os montanhistas que dominam as técnicas apropriadas, há mais de 30 rotas para a prática da escalada em rocha, que colocam O Complexo do Baú – conjunto rochoso que reúne as montanhas conhecidas por Bauzinho, Pedra do Baú e Ana Chata entre os mais importantes locais para a prática deste esporte no Brasil. Estas vias são dos mais variados graus de dificuldade técnica, e variam também no seu tamanho (de 10 a 300 metros). Todas as semanas, praticantes deste esporte vindos das mais diversas partes do país aventuram-se nessas paredes rochosas. Algumas dessas escaladas podem levar dias para serem concluídas o que obriga os alpinistas a dormirem em pequenos platôs ou pendurados em redes.

 

Confira por partes:

Trilha do Bauzinho Extensão: 100 m Duração: 30 minutos Altitude: 1829 m A trilha conduz a uma bela vista da cidade de São Bento do Sapucaí e de parte da Pedra do Baú. O local é ideal para contemplação e relaxamento. Durante a caminhada, bons observadores têm a chance de avistar pequenos animais.

Trilha Ana Chata Extensão: 3,8 k m Duração: 2 horas Altitude: 1770 m O acesso ao cume da formação Ana Chata é feito por pequenas escadas instaladas sobre a rocha. O acesso é relativamente simples e o caminho é composto por guarda-corpos nos pontos íngremes.

Trilha do Baú Via Ferrata (Face Norte) Extensão: 5 km Duração: 4 horas Altitude: 1950 m

 

Cachoeiras

 

Cachoeira do Toldi tem uma queda de 70 m de altura e um visual em meio à mata fechada

Cachoeira dos Amores é bastante visitada devido aos conjuntos de quedas e poções que permitem um banho refrescante em dias de calor.

 

Esporte de Aventura

 

Trilhas, passeios de bicicleta, rapel, arborismo, tirolesa, escalaminhada, voo livre entre outras, são atividades desenvolvidas em São Bento do Sapucaí.

 

Escultura em madeira

 

O escultor autodidata Benedito da Silva Santos, o Ditinho Joana, tem suas peças conhecidas no Brasil e no exterior. Ele esculpe em madeira o cotidiano do homem do campo.

 

 

Arte no Quilombo

 

A Associação dos Artesãos do Bairro do Quilombo trabalha a “Arte no Quilombo”, um espaço em que abriga e vende diversos trabalhos dos artesãos da cidade, com destaque para peças utilizando a palha de bananeira e de milho.

Decorações e utensílios: esteiras, cadeiras, redes, quadros, arte na palha de milho, na madeira, argila, fibras, sementes, bordados, pinturas e crochês.

Obtendo...
Obtendo cidade 00º C
Obtendo tempo...
Nascer do Sol: 00:00 - Pôr do Sol: 00:00
Velocidade do vento: -- km/h